Maio Amarelo: Depressão entre crianças e adolescentes: Pare – Observe – Acolha

 

Os dados sobre depressão são alarmantes. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 60% dos adolescentes abordados em consulta médica relatam ter sentimentos de depressão – com frequência maior entre as mulheres do que os homens – sendo este um dos fatores de risco para suicídio nessa fase do desenvolvimento. O suicídio é a terceira causa mais comum de morte entre adolescentes e jovens do sexo masculino e as tentativas de suicídio, principalmente entre as mulheres, correspondem à principal causa de procura de atendimento de urgência por adolescentes e jovens.

Ciente da relevância do assunto, a Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) lançou a Campanha Maio Amarelo com o lema “Depressão entre crianças e adolescentes: Pare – Observe – Acolha”, que visa oferecer, àqueles que estão diretamente envolvidos nos cuidados e na formação da criança e do adolescente, os meios necessários para a detecção, acolhimento, prevenção e tratamento da depressão e das situações de risco que esta determina.

A campanha resultou de uma ação integrada entre Departamentos Científicos e Núcleos de Trabalho da SPSP e conta com profissionais das áreas da saúde e educação, além de advogados e representantes de escolas públicas e privadas.

“Definimos como objetivo principal da campanha a criação de um Núcleo de Estudos sobre Depressão entre Crianças e Adolescentes e a elaboração de uma Carta de Propostas contemplando as demandas por conhecimento e orientação sobre as causas e consequências dos quadros de depressão na infância e adolescência, nos níveis de prevenção, detecção e intervenção, bem como a divulgação e o envolvimento cada vez mais amplo da classe pediátrica e dos diversos segmentos da sociedade afeitos a essa grave problemática.  As ações serão voltadas para educadores, pais e para as próprias crianças e adolescentes”, conta a presidente do Departamento de Saúde Mental da SPSP, Dra. Vera Ferrari.

Como um primeiro resultado dessas ações, no site da SPSP, está disponível a edição especial do Pediatra Atualize-se  sobre O trabalho interdisciplinar nos quadros de depressão na infância e adolescência, com textos que têm objetivo de indicar as primeiras condutas e encaminhamentos, a fim de que se estabeleça, o mais rápido possível, a atenção necessária.

As propostas, abaixo apresentadas, foram elaboradas a partir das discussões realizadas no evento de lançamento da campanha e buscam possibilitar uma mudança na realidade atual e encontrar soluções conjuntas que se traduzam em medidas efetivas contra os sérios riscos trazidos pelos quadros de depressão na infância e na adolescência.

  • Realização de uma jornada multiprofissional e multidisciplinar sobre Depressão em 2019;
  • Realização de uma mesa-redonda sobre Depressão no 13° Fórum Paulista de Prevenção de Acidentes e Combate à Violência de 2019;
  • Divulgação de material relativo ao tema pelo Blog Pediatra Orienta, pelas publicações da SPSP e outros meios de comunicação;
  • Divulgação das ações pelas entidades participantes e outros signatários do Documento;
  • Ações junto às escolas (públicas e particulares), por meio dos educadores, alunos e pais, profissionais de saúde e pediatras, em andamento.

Segundo Dra. Vera, o Núcleo de Estudos está finalizando um projeto-piloto junto a duas escolas, uma pública e outra particular, com lançamento em maio de 2019, como forma de avaliar a efetividade das ações propostas em atender os objetivos da campanha.

O coordenador das campanhas da SPSP, Dr. Claudio Barsanti, adverte que não podemos negligenciar um assunto tão sério. “A depressão tem desdobramentos terríveis e os indicativos dessa doença, muitas vezes, estão bem claros diante de nós. Profissionais da saúde precisam estar atentos aos sinais e sintomas associados à depressão para intervirem o quanto antes. Pais, familiares e cuidadores devem receber orientação adequada para saberem como agir em casos de suspeita de quadro depressivo. Essa campanha é de fundamental importância porque promove ações justamente para auxiliar nessa conscientização”.

Fonte:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/proteger_cuidar_adolescentes_atencao_basica.pdf