27 DE JULHO: DIA DO PEDIATRA

27 DE JULHO: DIA DO PEDIATRA

A Pediatria é uma especialidade médica que estuda, trata e acompanha o ser humano desde antes do seu nascimento até a entrada na vida adulta. Nós, pediatras, fazemos tudo o que é possível para empregar nossa melhor capacidade profissional, habilidades técnicas, conhecimento científico e compromisso ético, com o objetivo final de ajudar crianças e adolescentes a manter ou recuperar a saúde.

Um pouco de história
Desde a Grécia Antiga, grandes estudiosos, como Aristóteles e Hipócrates, já sabiam que a saúde de adultos e crianças deveria ser observada de maneira diferente e que crianças não eram “adultos em miniatura”.

As altas taxas de mortalidade infantil, na ausência de profissionais especializados no cuidado das crianças, fizeram com que surgisse a Pediatria, que só foi oficializada no fim dos anos 1800. No Brasil, no final do século XIX, de cada mil crianças nascidas vivas, 460 poderiam morrer antes dos sete anos, principalmente por diarreia e tuberculose.

Os primeiros hospitais com atendimento exclusivo para crianças surgiram a partir do século XIX – o primeiro foi o Hospital “des Enfants Malades”, em Paris, na França.

Como a Pediatria começou aqui no Brasil

No Rio de Janeiro, o médico Carlos Arthur Moncorvo de Figueiredo (1846-1901), marcou o início da pesquisa em Pediatria e da própria Pediatria aqui no Brasil. Em dezembro de 1881, fundou a Policlínica Geral, instalada inicialmente em sua própria casa, para tratar adultos e crianças doentes. Seis meses após, inaugurou um espaço maior, cedido pelo governo, em uma cerimônia assistida por dom Pedro II e outras autoridades da corte, médicos e estudantes de medicina, onde crianças pobres eram atendidas de graça, enquanto os pais das que tinham melhor condição financeira pagavam a consulta.

Em agosto de 1882 foi autorizada a criação da disciplina de doenças infantis e cirurgias nas duas Faculdades de Medicina do Império – no Rio e Salvador.

Os graves desafios e problemas daquela época, além das doenças infectocontagiosas, eram o abandono de recém-nascidos nas ruas e instituições religiosas, como a Santa Casa de Misericórdia, que adotavam a “roda dos enjeitados”, um cilindro de madeira giratório em que as mães, mantendo o anonimato, deixavam os filhos recém-nascidos, depois entregues para adoção ou mantidos nos conventos.

O trabalho de crianças pobres, com ou sem família, era comum nas fábricas e oficinas mecânicas e muitos acidentes de trabalho com crianças também eram comuns.

Figueiredo aprendeu na prática a medicina de crianças, visitando hospitais de Paris e outras capitais europeias; em 1874 propôs reformas no ensino médico do Brasil e a oferta de disciplinas sobre o parto e doenças das crianças. Estabeleceu métodos de trabalho e defendeu a necessidade do ensino de Pediatria na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro (FMRJ, hoje parte da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e formou médicos que fortaleceram essa especialidade no Rio, São Paulo e Porto Alegre.

Destacaram-se os cariocas Antônio Fernandes Figueira (1863-1928) – um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Pediatria, defensor do aleitamento materno e do atendimento humanizado; Carlos Artur Moncorvo Filho (1871-1944) – implantou o serviço de “puerimetria” e inventou um aparelho, o puerímetro, para ver se as crianças seguiam o padrão normal de crescimento e, em São Paulo, o fluminense Clemente Ferreira (1857-1947), que combateu a febre amarela e a tuberculose antes de dirigir o serviço de proteção à primeira infância do governo estadual.

A fundação da Sociedade Brasileira de Pediatria ocorreu em 1910, no dia 27 de julho, que passou a ser celebrado anualmente como o Dia do Pediatra. A partir de 1920, a necessidade da amamentação materna exclusiva até os 6 meses de idade se tornou consenso, as rodas dos enjeitados escassearam até se extinguirem em meados do século passado e o trabalho infantil foi proibido.

O número de pediatras no país cresceu até chegar a mais de 43 mil (somos em número a segunda especialidade médica, ficando atrás apenas da Clínica Médica), de acordo com a Demografia Médica no Brasil (2020), e a mortalidade de crianças até cinco anos de idade caiu para 12,4 para cada mil nascidos vivos em 2019.

A nossa área tem passado por diversas evoluções e conseguiu o êxito de diminuir o número de mortes de crianças em todo o mundo. Mesmo assim, ainda existem algumas dificuldades e desafios a serem enfrentados e resolvidos:

  • Desnutrição em consequência de mudanças climáticas, secas e inundações;
  • Desidratação e infecções graves por escassez ou contaminação de água;
  • Falta de acesso a serviços de saúde;
  • Crianças que não estão sendo vacinadas, disseminação de desinformação sobre vacinas e o ressurgimento de doenças que já estavam erradicadas (sarampo, poliomielite);
  • Quadros graves de depressão e suicídio (hoje em dia é a terceira causa de morte ente jovens de 15 a 19 anos);
  • Índices altos de mortalidade infantil nas cidades;
  • Pandemias que interrompem a educação, deixam gerações fora da escola, abandono escolar, aumento da violência contra os mais vulneráveis;
  • Falta de acesso ao mundo digital;
  • Internet que não foi projetada para as crianças, que sofrem assédio e são expostas a conteúdo nocivo;
  • Êxodo rural;
  • Crianças sem registro de nascimento (sem existência oficial) e falta de perspectivas futuras de adquirir habilidades úteis para o futuro com a sua paralização nos ciclos de pobreza e desigualdades.

E o que precisamos fazer?

A infância e adolescência são etapas da vida decisivas para a saúde, educação e consolidação de valores pessoais, familiares, culturais e religiosos – temos que pensar e fazer acontecer um futuro melhor, graças a ações e medidas de prevenção simples e cientificamente reconhecidas como válidas que nós, pediatras, temos o desejo e o dever de cumprir.

A Pediatria é ciência, estado de espírito e arte, que tem como alicerces o amor e o cuidado à criança e ao adolescente, assistindo-os e contribuindo para a formação de adultos saudáveis.

Saiba mais:
1-Brasil tem mais de 43 mil pediatras: os principais desafios da profissão:
https://www.segs.com.br/saude/351964-brasil-tem-mais-de-43-mil-pediatras-os-principais-desafios-da-profissao
2-O início da pediatria:
https://revistapesquisa.fapesp.br/o-inicio-da-pediatria/

Relatores:
Renata D Waksman
Tania MR Zamataro
Fausto Flor de Carvalho
Fernando MF Oliveira
Coordenadores do Blog Pediatra Orienta da Sociedade de Pediatria de São Paulo