PERDA AUDITIVA CONGÊNITA: DIAGNÓSTICO PRECOCE DE PERDA AUDITIVA NO RECÉM-NASCIDO

Introdução: A perda auditiva congênita é uma das principais doenças que afetam os recém-nascidos. A etiologia mais comum para perda auditiva congênita é genética, mas alguns casos podem ser adquiridos. Este estudo baseia-se em uma revisão bibliográfica, destacando pesquisas que abordam as estratégias de diagnóstico precoce da perda, bem como a triagem auditiva em pacientes neonatais, e os tratamentos recomendados para esta alteração. Objetivo: Este trabalho tem como objetivo principal investigar a abordagem acerca da perda auditiva congênita em recém-nascidos, explorando estudos que identifiquem as estratégias de detecção e diagnóstico precoce, bem como os tratamentos utilizados e as evidências de mecanismos que influenciem na resposta às intervenções. Métodos: Foi conduzida uma revisão da literatura por meio da base de dados MEDLINE com o auxílio da plataforma de busca PubMed. Foram utilizados descritores em inglês para incluir estudos internacionais na pesquisa final, desde que realizados nos últimos 4 anos. Resultados: Os estudos analisados apresentaram que a Triagem Auditiva Neonatal Universal (TANU), que consiste no Teste de Emissão Otoacústica (EOA) e no Teste do Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE), é realizada nos primeiros dias após o nascimento do bebê, sendo importante que seja concluída antes da alta hospitalar para garantir que qualquer alteração auditiva seja identificado prontamente. Além disso, o implante coclear precoce demonstrou ser benéfico na obtenção de habilidades de fala e linguagem em pacientes com perda auditiva neurossensorial grave a profunda e deve ser considerado na estratégia de intervenção. Conclusão: Os resultados apontam que o diagnóstico precoce, por meio da TANU, é de fundamental importância para o restabelecimento da capacidade auditiva dos recém-nascidos. Além disso, a compreensão da etiologia ajuda no aconselhamento da família e na direção do tratamento. O diagnóstico e o tratamento precoces resultam em resultados mais eficazes de fala e desenvolvimento para as crianças afetadas.